28 de fevereiro de 2010

Christian Pior na estréia de Hairspray

O Pânico na TV, programa da Rede TV, esteve na estréia de Hairspray em São Paulo e entrevistou as celebridades que por lá passaram, claro, que, com muito humor. Sem apelação, desta vez, a matéria agradou. Assistam.


Abraços!

26 de fevereiro de 2010

Miguel fala ao "A Tarde é Sua"

No dia da estréia de Hairspray em São Paulo, Miguel falou um pouco do musical ao programa "A Tarde é Sua", comandado por Sônia Abrão, que também reuniu depoimentos de alguns convidados do espetáculo. Bacana!


Abraços!

Multishow exibirá bastidores da peça "A Gaiola das Loucas"


A partir de domingo, dia 7/3, às 22h, o Multishow exibirá um especial de três episódios que mostram os bastidores da produção da peça “A Gaiola das Loucas”, que estreia no dia 5 de março, no Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro.

O público poderá conferir a relação de amizade entre o diretor Miguel Falabella, que também atua na peça, e o protagonista Diogo Villela. Também serão exibidas as audições, a seleção de elenco, incluindo os testes de voz, dança e acrobacia, além dos ensaios.

Chet Walker, o coreógrafo americano que já realizou diversas montagens da peça na Broadway, será um dos destaques do programa, que traz imagens do profissional ensaiando o elenco.

Por Uol Televisão
Abraços!

Raoni Carneiro fará amante de Marília Pêra em "A Vida Alheia"


 O ator Raoni Carneiro, 28, vai ser amante de Marília Pêra, 67, no seriado “A Vida Alheia”, da TV Globo, é o que conta a coluna de Mônica Bergamo, do jornal “Folha de S. Paulo”, desta sexta-feira (26).

Segundo a coluna, o rapaz viverá um paparazzo da revista de celebridades da qual a personagem de Marília Pêra será dona.

“A Vida Alheia” está prevista para estrear em abril. Raoni Carneiro namora a atriz Fernanda Rodrigues, com quem tem uma filha, Luisa, que nasceu no dia 11 de dezembro de 2009.

Por "Chiado"

Abraços!

25 de fevereiro de 2010

Miguel “Quero adotar uma criança, mas é tão difícil”


Miguel Falabella, que assina a direção da peça “Hairspray”, esteve no Teatro Bradesco, no shopping Bourborn São Paulo, nesta quarta-feira (24), para estreia só para convidados do espetáculo.

Ao chegar ao local, ele conversou com a imprensa e foi logo questionado sobre os rumores de que gostaria de ter um filho: “Quero adotar uma criança, mas é tão difícil. Tem muita burocracia. Mas essa dificuldade só me estimula, viu? Quero retribuir sabe? Porque, na verdade, eu também fui adotado. Fui adotado pelo público que sempre me recebe com carinho”.

A respeito do espetáculo, que é protagonizado por Edson Celulari, Falabella disse: “Fico feliz em saber que Hairspray tem agradado a todos”.

Perguntado se é um diretor enérgico, ele disse: “Não! Sou muito bem humorado e até na bronca eu falo com humor.” 

Por Revista Quem
Abraços!

Miguel Falabella enche Laura Cardoso de carinhos



Miguel encheu Laura Cardoso de carinhos e beijinhos no teatro Bradesco, do shopping Bourbon São Paulo, na noite de quarta-feira (24). A atriz esteve no local para conferir o espetáculo “Hairspray”.

Ao encontrar com Laura, Miguel lhe deu um abraço carinho e a reverenciou. 

Um fofo!

23 de fevereiro de 2010

À tarde no ensaio


Sentado num canto da imensa sala de ensaios eu, como o narrador de Isherwood, sou uma câmera. Diogo Vilela está cantando uma canção enquanto vai-se transformando em Zazá, um renomado travesti da Riviera, seu personagem em “A Gaiola das Loucas”. É fascinante observar um ator no exercício da criação, eu penso, enquanto ele evolui pela sala, seguindo os passos de seu número. Não sei por que, mas me vem à mente um pensamento de Nietzsche sobre o perigo de se olhar para o abismo, porque ele termina olhando de volta. No teatro, só sobrevivem aqueles que conseguem suportar o tal olhar que o abismo lança de volta, eu penso, porque é essa a sensação que temos ao encarar um novo texto, uma nova história, uma nova vida. Começar do zero, engatinhar, descobrir um caminho que é só nosso e, principalmente, aprender a respirar como nos pede o autor. Começar outra vez, é isso. Atravessar o túnel em busca da luz. O fato é que, por essas e outras, a mirada do abismo volta e meia nos ronda. Agora, a canção já está no meio e eu me preparo para entrar em cena, enquanto a chuva castiga sem piedade a São Paulo que também se prepara para o Carnaval.
A chuva cai sobre o telhado do galpão e cria um fundo sonoro constante e monótono. A câmera que eu sou, talvez operada por algum mecanismo da memória, resolve buscar um plano de algum momento do passado e eu vejo o rosto de minha mãe num reflexo do vidro, que surge entre a lente que são meus olhos e a cena da peça que avança – agora, Diogo aplica um batom vermelho e a cor faz mamãe sorrir, porque para a família de papai, mais burguesa e, de certa forma, conservadora, mamãe era conhecida como “vermelha”. A gente sabe que está envelhecendo quando ainda usa termos como esse, eu penso, mas enfim... Mamãe esteve presa por algumas horas durante a revolução, porque a Faculdade de Filosofia da época fervia de ideias e vários professores foram denunciados. Isso, é claro, contribuiu para aumentar sua fama e o adjetivo era dito de forma carinhosa e galhofeira nas reuniões da família de papai.
la não ligava e convivia com as tias professoras primárias e os tios militares com uma harmonia e uma felicidade que foram um grande legado, eu penso hoje em dia. Mamãe era uma mulher de esquerda, é claro, mas de uma esquerda encharcada de humanidade, que realmente honrava seu princípio básico.
Transitava como ninguém por Sartre e Marcuse e sentava-se à noite, ao lado da família, para assistir aos folhetins de Janete Clair. Aliás, lembrei agora de um pensamento de Herbert Marcuse que tem a ver com o movimento dessa câmera que sou eu, no ensaio à tarde: o tempo não cura nada, mas tira o incurável do foco central. O agudo final da canção de Diogo me traz de volta e eu ainda vejo mamãe desaparecer como uma névoa que se dissipa soprada pelo vento. Sinto saudades dela, gostaria de ouvir sua voz outra vez. Alguém me chama a atenção. Eu preciso entrar em cena. Avanço na direção de Diogo e tropeço na primeira fala. Peço desculpas e recomeço. É a tal história. O abismo sempre olha de volta. Sempre. Lá fora, continua a chover.

Revista ISTOÉ - 22/02/2010

Abraços!

22 de fevereiro de 2010

Felicidades, Aracy!

 

Hoje, dia 22, a diva Aracy Balabanian, uma das melhores amigas do Miguel no meio artístico, completa mais um ano de vida. Desejamos-te toda felicidade do mundo e que sua luz nunca se apague. Sucesso nesta sua nova empreitada, a nova novela das oito, de Sílvio de Abreu. Com certeza irá roubar a cena. Todos nós sentimos sua falta na TV, principalmente ao lado do Miguelito, como nos áureos tempos de Sai de Baixo, onde simplesmente a risada era consequência de tanto entrosamento em cena. Parabéns!

Abraços!

19 de fevereiro de 2010

Miguel faz dieta e deixa de fumar para a peça "A Gaiola das Loucas"


O ator Miguel Falabella conta que perdeu sete quilos e deixou de fumar para encarar Georges, seu personagem no musical “A Gaiola das Loucas”, que estreia, no dia 3 de março, no Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro.

Desde dezembro de 2009, Falabella vem fazendo dieta com proteínas e saladas. Além de viver, o dono de um cabaré de St. Tropez especializado na apresentação de transformistas, Falabella dirige o espetáculo.

Seu personagem vive uma relação homossexual estável de 20 anos com Albin, interpretado pelo ator Diogo Vilela, que também personifica a diva Zazá, estrela principal do cabaré.

Na encenação, não faltará o beijo gay. “Vai ser um beijinho no final da peça. Vocês sempre perguntam isso... O texto é muito maior do que esse beijo”, reclama Falabella.

A versão brasileira da peça “A Gaiola das Loucas”, escrita por Jean Poiret, conta com 25 atores, 40 trocas de cenários, 300 figurinos, 100 perucas e 350 mudanças de luzes.

Por Uol

PS: Afinal, foram 9, 8, ou 7 quilos perdidos? Esta imprensa...

Abraços!

Gaiola das Loucas estréia em 3 de Março no Rio


Vista por mais por quase um milhão de franceses, a peça "A gaiola das loucas" - "La cage aux folies", no original, escrita por Jean Poiret, que ganhou três versões cinematográficas - desembarca no Brasil com números igualmente impressionantes. Dirigida por Miguel Falabella, que protagoniza a história ao lado de Diogo Vilela, a montagem terá 25 atores, 40 trocas de cenários, 300 figurinos, 100 perucas e 350 mudanças de luzes.

Na comédia, que estréia em 3 de março no Teatro Oi Casa Grande, Falabella personifica Georges, dono de um cabaré de St. Tropez especializado na apresentação de transformistas. A estrela principal da casa é Zazá, diva vivida por Diogo Vilela que, quando põe para fora seu lado masculino, vira Albin, com quem Georges mantém uma relação estável de duas décadas.

Tudo vai bem entre os dois até que o filho do casal, Jean Michel - fruto de um relacionamento hetero de Georges com uma corista do Lido de Paris, que não quis assumir a criança - anuncia aos "pais" que vai se casar. O efeito complicador da notícia é que o rapaz terá de apresentar a família não-convencional ao sogro, político que preside o PFTM, o Partido da Família, Tradição e Moralidade. E uma de suas promessas de campanha, caso seja eleito, é varrer os homossexuais do mapa da Riviera francesa.

Na mais cultuada versão cinematográfica, "A gaiola das loucas", de 1978, foi estrelada por Ugo Tognazzi e Michel Serrault. A refilmagem hollywoodiana de 1996 traz Robin Williams na pele de Georges e Nathan Lane como Zazá.

O espetáculo já teve uma bem-sucedida versão brasileira, que estreou em 1974, com Jorge Dória e Carvalhinho, e ficou sete anos em cartaz. O Teatro Oi Casa Grande fica na Rua Afrânio de Melo Franco 290, no Leblon (Tel: 21 2511-0800). O espetáculo será apresentado às quintas e sextas, às 21h; sábados, às 21h30; e aos domingos, às 19h. Ingressos entre R$ 80 e R$ 150. 

Por O Globo

18 de fevereiro de 2010

Falabella leva adaptação de Hairspray a teatro de SP


Nos últimos episódios da série global Toma Lá Dá Cá , Miguel Falabella dizia que não aparecia na TV do peito para baixo por estar acima do peso. Oito quilos mais magro, o ator e diretor leva a São Paulo sua adaptação de Hairspray, história de uma simpática gordinha que sonha em ser famosa. A montagem, que já foi vista por mais de 130 mil pessoas no Rio de Janeiro, entra em pré-estreia amanhã, no Teatro Bradesco. Hoje, faz um ensaio aberto, com ingressos já encerrados.

Enquanto Falabella se livrou das gordurinhas, os protagonistas da peça, Simone Gutierrez e Edson Celulari, tiveram que aprender a lidar com um peso a mais no palco. Para viver a jovem Tracy Turnblad, Simone engordou 15 quilos. "Foi uma loucura, sempre fiz de tudo para emagrecer." Para manter a agilidade, a atriz, que atuou nos musicais Cabaret, 70''s e Sinatra in Concert, adotou uma prática radical. "Comecei a correr na esteira cantando. O espetáculo é todo muito aeróbico", afirma.

Já Celulari não precisou engordar na vida real, mas para interpretar a mãe de Tracy, Edna Turnblad, uma mulher de 150 quilos, precisou se acostumar com um traje repleto de enchimentos. "Faço quatro sessões de fisioterapia por semana. São sete quilos de roupa, o que pesa mais são os peitos de silicone. E tem também a bunda, que é enorme e mexe o tempo todo", revela.

Na trama, Tracy e Edna vivem em Baltimore (EUA), em 1962. Tracy é uma adolescente que tem duas paixões: dança e o programa Corny Collins Show. Mesmo sendo gordinha, ela conquista uma vaga de dançarina no show. Seu sucesso começa a incomodar Amber (Danielle Winits) e sua mãe Velma Von Tussle (Arlete Salles). A rivalidade entre as famílias fica mais acirrada quando as jovens começam a disputar o coração de Link Larkin (Jonas Faro). As informações são do Jornal da Tarde.

Maiara Camargo / Agência Estado

15 de fevereiro de 2010

Os mais animados...

A edição do Vídeo Show de hoje relembrou a passagem das mais ativas celebridades no carnaval do Rio de Janeiro. Miguel não podia ficar de fora. Apesar de pequena a cena, vale a pena relembrar.


Abraços!

14 de fevereiro de 2010

Miguel faz dieta pesada para estreia de Gaiola das Loucas



Miguel Falabella está longe dos carboidratos, desde que o Toma Lá Dá Cá deixou a grade da Globo, em dezembro de 2009. O ator resolveu emagrecer para estar em plena forma na estreia do musical A Gaiola das Loucas,  logo após o Carnaval.

“Quando terminei o Toma Lá eu quase não cabia na tela, não conseguiam me enquadrar”, brincou em conversa com O Fuxico. Na época, Miguel estava pesando 91kg.

A dieta do diretor é baseada em proteína e muito verde.

“Só como mato, pareço uma vaca (risos). Não fumo, por causa do musical, não como, por causa da dieta, posso bater em alguém a qualquer momento”, confessou ele, que já perdeu nove quilos.

Fonte: O Fuxico

Beijos!

13 de fevereiro de 2010

Miguel Falabella e a vontade de reviver o seriado Sai de Baixo

Já se passaram oito anos desde que o Sai de Baixo deixou a grade da Globo. Porém, algum tempo atrás, o grande responsável pelo sucesso do programa, Miguel Falabella, cogitou fazer um especial e reunir todo elenco. Mas parece que isso vai ter que ficar só na lembrança.

“Eu queria muito juntar todo mundo e fazer um especial para o Sai de Baixo. Mas o Tom (Cavalcante, que vivia o porteiro Ribamar) não quer mais, nem se interessa mais por isso...”, desabafou ele.

Os fãs de Miguel vão ter que se contentar com os novos trabalhos do ator, diretor, roteirista e multifuncional, que prepara um novo seriado para Globo, chamado A Vida Alheia. A trama irá falar sobre os bastidores da fofoca.

Fonte: O Fuxico

Beijos!

12 de fevereiro de 2010

Miguel Falabella interpreta um coveiro em novo seriado



Se não bastasse os ensaios do musical Gaiola das Loucas, a direção do espetáculo Hairspray e o roteiro de A Vida Alheia, Miguel Falabella já está pensando em um novo seriado de tevê para estrear em 2011. O programa é intitulado de Pé na Cova e protagonizado por ele e Betty Lago.

“Estou escrevendo esse seriado para o ano que vem. Eu vou ser um coveiro e minha esposa, que será a Betty, vai ser uma maquiadora que só faz maquiagem em cadáver”, contou o ator, diretor e autor a O Fuxico.

A ideia de convidar Betty para o papel surgiu depois que atriz ficou fora de A Vida Alheia, que estreia em abril.
“Como ela estava reservada para Cinquentinha, convidei a Marília Pêra que tinha saído da série do Aguinaldo. Mas ela vai participar do outro seriado”, disse Falabella.

Fonte:O FUXICO.
BJOS!

11 de fevereiro de 2010

Miguel fala ao "Famosidades"

Na coletiva de imprensa orgazinada ontem para anunciar a estréia de Hairspray em São Paulo, Miguel concedeu uma entrevista em vídeo ao site Famosidades, o qual upei no Youtube, para facilitar a visualização, claro, sem tirar os devidos créditos de ninguém. O vídeo é bom e vale a pena ver.


Abraços!

"Amo gerar empregos", afirma Miguel


 Quando se pensa em musicais, o que vem à mente é a Broadway e os famosos espetáculos americanos. Mas de uns anos para cá, pode-se dizer que o Brasil também entrou no circuito internacional. Um bom exemplo chega a São Paulo no fim deste mês.

O musical “Hairspray” estréia dia 26 de fevereiro, após sete meses de temporada e mais de cem apresentações no Rio de Janeiro. Apesar do sucesso, o diretor Miguel Falabella quer mais. E com um objetivo mais nobre: mostrar às pessoas que no país também é possível realizar produções musicais de qualidade. “Isso deixa o público envaidecido”, afirmou, em entrevista coletiva realizada na capital paulista na quarta-feira (10).

Falabella disse que só é Miguel Falabella porque, quando criança, foi muito à peças de teatro e a musicais. “Eu cresci vendo tudo de Bibi Ferreira, com 9 anos eu já enlouquecia com aquilo”, relembrou.

Da mesma maneira quando realiza projetos como “Hairspray”, Miguel espera conseguir inspirar e incentivar novos artistas, jovens que possam, daqui a alguns anos, escrever seus próprios musicais.

Além do amor pelo gênero, o diretor aponta outro ponto positivo. “Eu amo gerar empregos”, revelou o diretor, que conseguiu reunir cerca de 200 pessoas para “Hairspray”.

Miguel Falabella define “Hairspray” como um “chiclete de frambroesa”. “Não tem como não gostar, não tem como não se encantar com o musical”, explicou.

Para o diretor, apesar de ser uma história sobre excluídos, há também um boa dose de humor. “Eu resolvi acrescentar muito do humor brasileiro, não apenas reproduzi a versão da Broadway”.

Por MSN Notícias
Abraços!

10 de fevereiro de 2010

Miguel e elenco divulgam peça em São Paulo


Miguel e o elenco de "Hairspray" se reuniram com a imprensa na tarde desta quarta-feira, em São Paulo, para divulgar o espetáculo que estreará na cidade no dia 26 de fevereiro. A produção conta com 300 figurinos, 90 perucas, seis mil quilos de luz e mais de 40 trocas de cenário.

Edson Celulari um dos protagonistas da história interpreta no palco, a personagem Edna Turnblad. O ator comentou sobre o desafio para este papel: “Quando recebi a ligação do Falabella fiquei feito uma criança. Não sabia se aceitava ou não porque fazer musical é muito difícil. Fiz uma grande pesquisa e fiquei encantado. Então, aceitei. Contei com o apoio de toda a minha família, inclusive da minha mulher (Claudia Raia)”.

Edson começou então um laboratório para entender o mundo feminino. “Claudia me ajudou muito. Ela dizia: ‘calma’. Um passo de cada vez’. Uma vez, estava no banheiro da minha casa, às 3h da manhã, de salto alto, ensaiando. (risos). Ela me viu, ficou do meu lado, com muita generosidade. 


 Falabella contou ainda de onde veio essa sua paixão pelo teatro: “Graças a minha avó. Desde pequeno minha avó me dava de presente em meus aniversários tickets para peças teatrais. Isso aconteceu durante a década de 60.”

A atriz Simone Gutierrez, que interpreta Tracy Turnblad, nos palcos contou que se sente realizada com a montagem: “Fiquei louca quando soube que essa peça viria ao Brasil. Pela primeira vez pude ser quem eu realmente sou de verdade. O personagem é contagiante, para cima, animado e eu tenho essas características. Precisei engordar 15 quilos para compor esse papel.”

 Por Quem Notícias

Abraços!

5 de fevereiro de 2010

Foto do Dia

 

Miguel e Cláudia Jimenez, nos bastidores das gravações de A Vida Alheia. Ele será o diretor principal, junto com Cinha de Paula e Marco Rodrigo.

Abraços!

3 de fevereiro de 2010

Enfim, começou...


Claudia Jimenez voltou ao batente. A atriz entrou em estúdio pela primeira vez nesta quarta-feira, 3, para gravar o humorístico “Vida Alheia”, escrito por Miguel Falabella e que vai mostrar o dia a dia de uma revista da fofoca, a Vida Alheia.

Ela dará vida a inescrupulosa editora-chefe Alberta. É ela que comanda com mão de ferro a revista e que não hesita em inventar umas fofocas sobre famosos. No animado dia, Cláudia e Miguel acabram se divertindo como crianças. “

Fonte de Informação: Ego
Adap.: Para Sempre Miguel Falabella

Abraços!

Miguel de fala bela


Quem não conhece o talento do ator e humorista Miguel Falabella? Mas o que poucos sabem é que o Miguel é um ser humano muito especial.

Vivemos em um mundo globalizado, ligado em todos os acontecimentos em tempo real, cada vez mais descobrimos coisas novas entre o céu e o mar e a cada dia que passa nos afastamos mais e mais de nossos pares, sejam homens ou mulheres. Nossa intolerância para o diferente está cada vez mais presente nas relações sejam de trabalho ou afetivas.

Mas Miguel acordou há muito para estimular a diversidade, acreditando que a soma dos diferentes é muito maior que a facilidade dos iguais. Assim, Miguel tornou-se o ídolo do meu filho, Gustavo, um autista de 19 anos que sorri de um lado ao outro quando se encontra com o seu amigo "Miguelzinho".

Na última apresentação da peça "Hairspray", sucesso de bilheteria aqui no Rio, dirigida por Miguel Falabella, Gustavo foi o convidado especial do diretor. Que legal perceber que tem gente preocupada em conviver, ajudar e fazer sorrir uma pessoa especial. Fica fácil entender o crescimento pessoal e profissional de Miguel. No caso o universo conspira a favor de seu exemplar comportamento.

Enfim, acho que não há preço para o convívio com uma criança especial, tampouco com Falabella, que nos ensina que não há por que se limitar.

Meu querido amigo, muito obrigado pelo carinho com o nosso Gustavo!

Por Eduardo Homem de Carvalho / SRZD

Abraços!

Na redação...


Nas duas últimas semanas, a redação da sucursal carioca de QUEM recebeu as atrizes Marília Pêra, Claudia Jimenez e Danielle Winits, entre outros integrantes do elenco, diretores e membros da equipe técnica do seriado Vida Alheia, que estreia na TV Globo, em abril. As visitas serviram como laboratório para orientar o grupo na composição de personagens e também no enredo. O programa, escrito por Miguel Falabella e dirigido por Cininha de Paula, terá inicialmente dez episódios e vai mostrar o dia a dia da revista de celebridades Vida Alheia. A diferença primordial entre a publicação e QUEM é que a revista da ficção terá um tom sensacionalista. Seus repórteres e editores farão de tudo para noticiar escândalos. “O laboratório foi importante para legitimar o que eu já pensava sobre esse mundo e entender como as coisas funcionam numa revista séria, que não é o caso da nossa revista fictícia”, disse Claudia Jimenez, que entrou na redação fazendo graça. “Onde é a mesa do chefe? ”, brincou. A atriz será Alberta, a editora-chefe da publicação. “Ela quer dar furos e vender escândalos, sejam eles inventados ou não. É a mais temida do meio das celebridades, porque adora estampar nas capas as besteiras que os famosos fazem”, disse a atriz, aos risos.



Marília Pêra se surpreendeu com o ritmo descontraído da redação da revista e gostou de saber mais sobre o método de trabalho dos jornalistas. “Conhecer e entender o trabalho de vocês foi importante para mim. Não só para o programa, mas para a minha vida”, comentou a atriz, que será Catarina, a dona da revista. A personagem é uma mulher ambiciosa, que estimula o sensacionalismo na publicação para ganhar dinheiro e manter seu padrão de vida.


Danielle Winits será Manuela, uma repórter que não medirá esforços para chegar ao posto de editora-chefe. Ela terá um romance secreto com Lírio, paparazzo interpretado por Paulo Vilhena. “Ela é aquela repórter que fica na porta dos eventos, que se disfarça para entrar nos lugares e quer conseguir tudo. Com o laboratório, passei a entender melhor o processo hierárquico e a rotina dos jornalistas”, afirmou. “Mas a QUEM é uma revista conceituada, que apura as informações, ao contrário da Vida Alheia, que não tem compromisso com a ética. O laboratório foi fundamental para entender os dois lados da moeda e marcar o texto do Miguel”, completou.

Sobre o texto de Falabella, Claudia não poupou elogios. “Ninguém escreve para mim como meu amigo Miguel Falabella. O texto dele é azeitado na minha boca e estou feliz porque conseguimos fazer um programa da maneira que gostaríamos, com um humor sofisticado, mas que é garantia de riso fácil”, afirmou.

Fonte: Revista QUEM

Abraços!

1 de fevereiro de 2010

Sapucaí: Miguel na Unidos da Tijuca em 1988

Ontem, remexendo na internet em busca de novidades, encontrei um vídeo super especial com o Miguel. Trata-se de um trecho do desfile da Unidos da Tijuca no carnaval de 1988, aonde Miguel aparece ao lado de amigos como Natália do Vale, Edson Celulari , Marcos Frota, Paulo César Grande, Claudia Abreu e Diogo Vilela, além dos saudosos, como Lauro Corona, Caíque Ferreira e Carlos Augusto Strazzer, todos bastante animados. Uma raridade. Vale a pena conferir.



Parabéns a quem postou!

Abraços!